A NOITE EM QUE O DELEGADO SURTOU.

Por Cimberley Cáspio

Resultado de imagem para Foto: discos dos anos 60Imagem: bemparana.com.br

Edivaldo é bem moreno, quase negro, como diz hoje, Edivaldo é pardo, mas é gente boa,DJ, o maior do Brasil, morador no bairro Boa Vista em São Gonçalo-RJ, meu amigo, porém muito antes de ser DJ,  trabalhou em estaleiro com carteira assinada,contracheque em dia…Enfim, a história começa num dia de sol de 40 graus, quando depois do almoço, vinha Edivaldo já atrasado e parou no semáforo esperando para atravessar uma grande avenida urbana.

Há uma boa distância,vinha uma patrulha da polícia civil com sirene ligada. Edivaldo então pensou e atravessou à avenida correndo,afinal, não queria ser atropelado pela viatura da polícia civil e nem se complicar no horário com à empresa. A viatura estava ainda há uma boa distância e correndo daria tempo pra chegar seguro do outro lado, e assim fez.

Assim que chegou ao outro lado, ouviu uma freada brusca da viatura e os policiais já saindo com arma em punho apontada pra ele. -volta! Diziam os policiais pra Edivaldo. Edivaldo olhou para os policiais e perguntou: – eu?  Os policiais gritavam- você mesmo negão! Vem pra cá.

Imediatamente revistaram Edivaldo, não quiseram olhar para os documentos e o colocaram na caçapa da viatura, conduzindo-o pra delegacia. Chegando lá, levaram Edivaldo para um corredor e o largaram lá.

Já eram 8 da noite,e Edivaldo ainda estava no corredor da delegacia. A família estranhou o atraso do meu amigo em casa e correram atrás pra saber o paradeiro do funcionário do estaleiro.

Por sorte descobriram que ele tinha sido preso e sabendo qual delegacia, se dirigiram até lá com um vizinho sargento do Exército,amigo do delegado responsável pela delegacia a qual Edivaldo ainda se encontrava detido.

Assim que chegaram na delegacia, o delegado já estava lá e conversou com o sargento do Exército,seu amigo. Foi quando Edivaldo, detido desde às 12:30, ouviu pela primeira vez chamarem o seu nome, mandando que se dirigisse à sala do delegado.

Ao se apresentar ao delegado, o policial lhe perguntou por que tinha sido preso. Edivaldo respondeu que estava atrasado pra chegar ao estaleiro depois do almoço, e vendo que à viatura estava a uma distância que permitia atravessar à avenida correndo, assim fez, e assim que chegou ao outro lado da avenida, os policiais o prenderam bruscamente.

O delegado perguntou: – eles viram os seus documentos?  Perguntaram alguma coisa por que estava correndo? Edivaldo respondeu: – não quiseram ver os meus documentos e não me perguntaram nada a respeito. Só me revistaram e me colocaram na caçapa da viatura e me trouxeram pra cá.

-Se eu trouxer os policiais aqui, você os identificaria pra mim? Perguntou o delegado a Edivaldo que prontamente respondeu que sim.

Os quatro policias que prenderam Edivaldo, se apresentaram ao delegado, que perguntou ao meu amigo se tinham sido eles que o haviam prendido. Edivaldo prontamente afirmou que sim.

O delegado então indagou aos policiais. – por que prenderam o rapaz? Os policiais responderam: – estávamos atendendo a uma ocorrência, quando vimos o suspeito atravessar a rua correndo, imediatamente o detivemos e trouxemos pra delegacia.

O delegado – não viram os documentos dele? Carteira assinada,contracheque do mês em dia? Não perguntaram nada?

Os policiais – não senhor.

O delegado se irritou e bradou: – vocês são uma incompetência. Querem me levar pra Corregedoria? Que raios de policiais são vocês? O que estão fazendo aqui? – Depois de ter dado uma tremenda bronca na equipe, ordenou a outro policial que fosse pegar os documentos de Edivaldo e o liberou.

Todos se cumprimentaram, o delegado pediu desculpas ao seu amigo sargento do Exército,não pediu desculpas a Edivaldo, e o liberou. Já eram 22:00 h

Andando a pé até o ponto do ônibus, para surpresa de Edivaldo, um policial apareceu e em alta voz lhe disse: – você fugiu da delegacia, volta! Tá preso! Ninguém entendeu nada, e novamente Edivaldo foi conduzido a mesma delegacia, e quando entrou, o policial apresentou ao delegado o preso fugitivo.

O delegado então furioso, gritou com o policial: – Como você sabe que ele fugiu se aqui só tem essa porta de saída? Aonde você estava? Aqui você não estava! Se ele tivesse fugido,passaria por essa porta,mas aqui você não estava seu merda. Furioso o delegado continuou jogando toda raiva em cima do policial que prendeu Edivaldo junto com à família já a caminho de casa. – Você junto com outros aqui, é a incompetência clara. Você nunca deveria ser policial. Vou transferir vocês pro mais longe possível da minha vista. O rapaz estava aqui injustamente pela incompetência de vocês, e eu o liberei, ele não fugiu,está me ouvindo seu merda? Ele não fugiu,eu o liberei. E fez um sinal pro Edivaldo ir embora. E depois daquela noite,nunca mais se soube o que se passou naquela delegacia. E o Edivaldo nunca mais foi preso,pelo menos até hoje, e claro,como seu amigo, assim desejo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s