RIO DE JANEIRO: PROTEJAM A POLÍCIA MILITAR.

Por Cimberley Cáspio

Imagem: sospoliciaismilitares.blogspot.com

Conversando num posto de gasolina em São Gonçalo-RJ com um cabo da Polícia Militar do Rio de Janeiro,sem me identificar como jornalista,o militar que estava acompanhado de um sargento no interior de uma viatura,me relatou que “o treinamento dado à praças no CFAP(Centro de Aperfeiçoamento de praças do Estado do Rio de Janeiro), é simplesmente lavar banheiro e fazer faxina. E que de vez em quando, os alunos são levados para fazer treinamento com  tiros,porém com tempo bem restrito, a fim de não gastar munição, pois às munições relativas a essa prática são poucas.E por causa disso, treinamento com armas é coisa rara no curso para soldado da Polícia Militar.

A planilha dos módulos das etapas do curso para ser um soldado da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, são extensas, mas praticamente nenhum dos módulos são realizados,” onde o sargento confirmava a mim, tudo que o seu subordinado me relatava.

No tempo final do “curso”, é apresentado ao futuro soldado da Polícia Militar,uma espécie de relatório de aprovação  para o formando assinar como se ele tivesse cumprido todas às etapas. Lógico,não houve praticamente nenhuma etapa cumprida. O que houve na verdade, foi alguma coisa superficial, para não dizer, que o que houve de verdade, foi a não realização do curso como deveria ser segundo a planilha.

A fim de entrar na folha de pagamento do estado,quem não vai assinar? Sendo assim, os formandos assinam tal relatório como se tivesse passado por tudo aquilo e recebido aprovação,onde a partir daí, é marcado o dia da formatura.

Em seguida o sargento entra na conversa e diz: Por que somos tratados como militares se lidamos com cidadãos? Por que não sermos todos uma guarda-civil? Já que à presidente Dilma decretou que toda guarda municipal passa ter agora também poder de polícia, por que não sermos todos civis, ao invés de militares, se o nosso dia a dia é com civis?

No final do assunto, o primeiro policial militar que falou comigo,voltou a dizer: “passar todo o tempo do “curso” lavando banheiro e fazendo faxina, o que você espera que a Polícia Militar possa fazer pela sociedade? O que fazemos na verdade, é lutar pela sobrevivência e garantir o sustento da nossa família. Dar tiros? Sim, algumas vezes nos instruíram com munição contada, e aí, é o salve-se quem puder. Mas o treinamento que deveríamos ter de verdade, a fim de nos deixar preparados para um enfrentamento contra organizações criminosas,esquece,nenhum de nós foi preparado pra isso.E o que fazemos é nada mais do que enxugar gelo. E quer saber mais? O treinamento da guarda metropolitana de São Paulo, é mil vezes melhor que o nosso.” Nos despedimos e cada um seguiu o seu caminho.

Claro que o secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, sabe de tudo isso,e o que ele pode fazer, senão seguir à cartilha Olímpica? A solução para o combate ao crime organizado é a UPP, segundo os gênios da política carioca, porém os praças militares que integram essa utopia de segurança pública, receberam quase que 100% do treinamento para soldado da Polícia Militar, nada mais, nada menos, do que intimidade com vassouras e baldes d’água, após isso, são jogados nas ruas para dar uma simples sensação de que a Polícia Militar está pronta e  fazendo o “serviço”. Só esquecerem de avisar à população que em alguns casos, é melhor à segurança da guarda municipal.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s