CADE: AUMENTO DO DÓLAR É MANIPULAÇÃO CRIMINOSA.

Por Sputnik Brasil – editado p/ Cimberley Cáspio

Imagem: br.sputniknews.com

A divulgação das manipulações com a moeda brasileira levaram o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) a anunciar que 15 bancos sediados em outros países e 30 pessoas físicas estão sob investigação por suposto cartel de manipulação de taxas de câmbio envolvendo o real e outras moedas, como o rublo, por exemplo. Os mesmos processos investigatórios foram instaurados em países como Estados Unidos, Reino Unido e Suíça.

No Brasil, respondem a processo administrativo perante o CADE as seguintes instituições financeiras: Barclays, Citigroup, Crédit Suisse, Deutsche Bank, HSBC, JPMorgan, Bank of America, Merrill Lynch, Morgan Stanley, UBS, Banco Standard de Investimentos, Banco Tokyo-Mitsubishi UFJ, Nomura, Royal Bank of Canada, Royal Bank of Scotland e Standard Chartered.

Os promotores dos Estados Unidos encarregados da apuração das denúncias de manipulação de câmbio com diversas moedas nacionais (inclusive o real) anunciaram que as investigações vão se aprofundar e que outra moeda, o rublo, também tem sido alvo dos manipuladores interessados em obter vultosos ganhos financeiros.

A investigação no Brasil sobre um suposto cartel de manipulação das taxas de câmbio poderá envolver outros bancos além dos já citados no processo aberto no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), segundo informou a agência Reuters, citando o presidente do órgão antitruste, Vinicius de Carvalho.

“Quando você vai fazer os TCCs, se por ventura eles aparecerem, essas empresas têm que em alguma medida colaborar e pode acontecer que numa dessas ela traga um novo agente que não estava no acordo de leniência”, disse Carvalho, referindo-se a possíveis Termos de Compromisso de Cessação de Condutas (TCCs) a serem firmados.

O que parecia ser consequência da crise é manipulação criminosa.Segundo o CADE, entretanto, é improvável que bancos brasileiros sejam incluídos no caso. “Não sei se esse é o caso (de haver bancos brasileiros). Até onde sei, não há citação de banco brasileiro em nenhuma outra leniência que foi feita (no exterior sobre manipulação de câmbio)”, afirmou.

De acordo com a legislação brasileira, apenas um dos suspeitos em investigações sobre formação de cartel pode assinar um acordo de leniência, garantindo assim a imunidade criminal. O presidente do CADE, explicou ainda que os demais acusados que desejem colaborar com as autoridades podem fazer TCCs, embora o mecanismo não assegure a imunidade criminal.”Quem vem fazer um TCC acaba tendo também de ver se consegue fazer uma delação premiada no Ministério Público”, explicou.

No início do mês, o CADE anunciou que iria investigar 15 bancos estrangeiros e 30 indivíduos por envolvimento na formação de um suposto cartel de manipulação cambial envolvendo o real e outras moedas estrangeiras.

Segundo observou a Reuters, o processo do órgão antitruste brasileiro ocorre em meio a investigações semelhantes nos EUA e na Europa, onde grandes instituições financeiras estão sendo acusadas de manipular o mercado global de divisas, inclusive o real. De acordo com Carvalho, o CADE está colaborando com autoridades internacionais que apuram o mesmo caso.

Há alguns meses, um acordo de leniência foi alcançado entre a superintendência-geral do CADE e o Ministério Público Federal. O órgão antitruste não revela qual banco deu origem à investigação, que ainda está em estágio inicial e cujo objetivo é averiguar a suposta manipulação de indicadores de referência do mercado de câmbio. Esses indicadores são usados como parâmetro em negócios entre empresas multinacionais, instituições financeiras e investidores que avaliam contratos e ativos mundialmente.

Nos EUA, seis bancos concordaram no fim de maio em pagar US$ 5,8 bilhões para acabar com as acusações de manipulação cambial. O processo durou mais de cinco anos e conseguiu a admissão de culpa por parte de cinco bancos, todos eles alvo da investigação no Brasil.

Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o economista Gilberto Braga, professor do Ibmec-Rio e da Fundação Dom Cabral, explicou  que  estas manipulações com as taxas de câmbio e quem se beneficia dessas práticas, não têm caráter político, mas sim uma grande aposta no mercado de câmbio para ganhos financeiros estratosféricos.

Fonte: Reuters

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s