“MUITOS IMIGRANTES CHEGAM,SOMEM DE VISTA,E FORTALECEM O CRIME ORGANIZADO.”

Por Cimberley Cáspio

imigrantesFoto:veja.abril.com.br

Enquanto na África o ebola vai matando 500 vidas a cada 3 dias, uma migração em massa,foge da região pra Europa,se misturando aos refugiados da guerra no Oriente Médio. Atravessam o mar mediterrâneo em barcos precários e lotados,numa viagem perigosíssima. Desespero e medo,toma conta de todos,pois afinal sabem que tudo pode acontecer no andamento da navegação. Na melhor das hipóteses,se não morrerem no mar,poderão aportar em algum país do Continente Europeu e começar uma nova vida. Sabem que em outro país,podem ser discriminados e até deportados pro país de origem,mas é melhor tentar isso que morrer nas mãos dos radicais islâmicos,e também de ebola.

Muito embora a OMS diga que o ebola foi contido em um lugar,que foi erradicado em outro,ninguém mais acredita.Nenhum governo africano é confiável,pois enquanto governos e OMS fala uma coisa,a visão ocular dos acontecimentos é completamente outra,onde até agora pelos números oficiais,10 médicos já morreram pela doença.

O ebola está incontrolável,esse é o fato,e entre acreditar nos governos locais e na OMS,quem pode,o melhor é tentar à fuga para bem longe,e se possível,do outro lado do mar.Pode morrer também? Pode.Mas tem uma chance remota de poder começar uma vida melhor e longe de epidemias e malucos radicais islâmicos. Uma prova disso é o Brasil. Quantos imigrantes africanos já estão morando e trabalhando no país? Enfrentaram uma longa jornada,se expuseram a todo tipo de violência no andamento da viagem até o Acre,e tiveram a sorte de encontrar aqui,um governo benevolente que os abraçou e os recolheu no território brasileiro. Como brasileiros,ficamos preocupados e continuamos preocupados?Sim. Mas o fato é que chegaram,se instalaram pelo país,e sumiram de vista. Segundo o Itamaraty e a Polícia Federal,”muitos imigrantes que chegam aqui, tem treinamento miliciano,e já atuam no crime organizado,infernizando a nossa vida.” Relato do chanceler Luiz Alberto Figueiredo ao jornalista Otávio Cabral,da revista VEJA.

A Itália e a França,são os países da Europa que mais recebem imigrantes,porém a permanência diária no Continente Europeu, tem sido perigosa devido a forte discriminação dos locais,onde há relatos de violência contra os africanos e orientais. Bem diferente do tratamento que recebem aqui no Brasil,a Lapônia da América do Sul,a terra do Papai Noel.Não sou contra a migração,sou contra o nosso governo não fazer uma triagem responsável na fronteira. Mas enfim,sou a favor de quem pode e tem à chance de fugir dos horrores da vida. Eu na pele deles,faria a mesma coisa.

O problema é que a fuga internacional continua intensa por mar e por terra. Sair do Continente Africano e das áreas de conflito do Oriente Médio,é o objetivo,mesmo sabendo que só esse ano,3 mil já morreram na travessia do mediterrâneo com 5 naufrágios registrados.Se vale a pena correr o risco?Claro que sim. O mundo está enlouquecido e ninguém mais consegue pôr ordem no caos.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s